sexta-feira, 21 de março de 2014

Adeus, Poesia!
Vai-te no vento,
para onde te oiçam,
que de mim não tens mais do que pouco.
Vai-te para outro.
Não te prendas a mim.
Aqui não tens mais que dores,
que te gastam, envelhecem
e que de ti não fazem história.
Só me serves para o ego da memória.
Vai, Poesia! Vai-te embora!
Não vês que daqui
pouco mais levas que o meu proveito?
Nada mais que um egoísmo perverso,
só para ti mais vago
que evidente?
Mas escreve-me, quando chegares onde fores.
Não me deixes sem novas!
Que não há paixão mais potente,
que a que habita no amor ardente
da ausência.
E, quem sabe um dia,
por não te ter
eu volte a ti.

Rita Oliveira

1 comentário:

Anónimo disse...

Ritinha! Parabéns pelo teu trabalho e por tudo o que tens feito até agora. É óptimo ler-te. Sempre a arregaçar as mangas, sempre a agir, sempre a trabalhar.
Foste uma grande menina e agora tens-te feito uma grande mulher, cheia de talentos, cheia de qualidades e com um coração do tamanho do mundo. Ninguém te pode tirar isso. Mantém essa garra!

é nos cenários mais difíceis e nos sítios mais improváveis que crescem as mais bonitas flores, não é?

Um beijo saudoso